A Melhor Tradução

31/05/2020

Pastor qual a melhor tradução da Bíblia Sagrada? Quem está com a palavra final, os eruditos que defendem o Texto Tradicional e a Tradução Formal ou os eruditos que defendem o Texto Crítico e a Tradução Textual?

Entendemos que essa questão é muito complexa para ser abordada de forma simples, porém deixaremos aqui a nossa sucinta opinião sobre o assunto.

1 - É fundamental que todos entendam que esse importante tema, face a sua complexidade exegética, vem sendo debatido por eminentes teólogos e especialistas em manuscritos bíblicos, no decorrer das últimas décadas e, por certo, ainda será discutido por muito tempo.

2 - O que aqui registramos, de forma simples e pastoral, é apenas uma orientação básica às pessoas que ainda não alcançaram uma solidez teológica, bíblica e histórica sobre o assunto.

3 - Não podemos apresentar um bom estudo da Palavra de Deus, usando apenas os recursos da exegese; necessário se faz uma boa hermenêutica para completar o processo, além de outras ferramentas (teológicas, linguísticas, históricas, didáticas, etc.). De igual modo, não é suficiente termos uma boa fonte textual de manuscritos. Entendo que uma boa tradução das línguas originais para a língua portuguesa atual é um dos elementos fundamentais na elucidação do conteúdo bíblico; neste aspecto vejo pontos positivos e negativos no resultado final das traduções que surgiram a partir do Texto Tradicional e do Texto Crítico (N.T.).

Atualmente há três métodos principais de tradução da Bíblia:

  • Método de Equivalência Formal ou Literal

É o método mais antigo, focando quase que exclusivamente na literalidade do texto. Este método reproduz a gramática, os idiomatismos e a forma sintática das línguas originais tanto quanto possível.

  • Método de Equivalência Dinâmica ou Funcional

A preocupação deste método é com o significado do texto bíblico. "Como eu diria isso em meu idioma nativo?" Neste método o foco está em se traduzir o pensamento do escritor, e não palavra por palavra, buscando causar no leitor o mesmo impacto que os receptores originais experimentaram.

  • Método de Equivalência Otimizada ou Ideal

Este método procura combinar os dois métodos descritos acima, juntamente com outras abordagens, visando ao mesmo tempo a fidelidade ao texto e a compreensão do leitor. Em outras palavras, procura-se traduzir tão literalmente quanto possível e tão naturalmente quanto compreensível.

A Nossa Recomendação

O nosso posicionamento teológico e pastoral diante de uma questão tão complexa não é uma tarefa fácil como parece. Entretanto, assim como acontece com a diversidade de ministérios na Igreja Cristã, podemos ver o lado bom na diversidade de métodos de interpretação da Bíblia. Diante disso, a nossa recomendação ao povo de Deus é a seguinte:

  • Se o seu objetivo é exegético, seria melhor consultar uma tradução formal, que procura refletir todas as nuanças da língua original;
  • Se o seu objetivo é devocional, seria melhor deleitar-se com a leitura agradável e clara proporcionada pela tradução de equivalência dinâmica;
  • Se o seu objetivo é enfatizar o contexto bíblico ou o sentido de um texto, no uso particular ou litúrgico, seria melhor consultar uma tradução otimizada.

E, por último, se o seu objetivo está estreitamente relacionado com o nosso, ou seja, procura o melhor de cada posição, seria bom adquirir pelo menos duas versões em língua portuguesa: Almeida Corrigida Fiel e Almeida Atualizada.

Seja qual for a sua decisão o nosso desejo e a nossa oração é que você tenha uma ótima leitura bíblica, uma prazerosa meditação nas Sagradas Escrituras e um excelente aprendizado na Palavra de Deus, à luz do Espírito Santo.

Shalom Adonai