Projeto Filipe

Reflexão Bíblica Semanal Para os Grupos Familiares

Reflexões mais recentes no Projeto Filipe

Leia as últimas reflexões do Projeto Filipe

"[29] Logo em seguida à tribulação daqueles dias, o sol escurecerá, a lua não dará a sua claridade, as estrelas cairão do firmamento, e os poderes dos céus serão abalados. [30] Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu,...

Apesar de todos os pecados serem abomináveis para Deus, alguns têm consequências mais graves do que outros.

O Semeador

23/11/2020

Para ilustrar as verdades espirituais que somente Jesus conhecia, frequentemente ele utilizava pequenas histórias sobre os acontecimentos do dia a dia. A parábola do semeador relata de que forma a palavra de Deus é recebida por diferentes tipos de pessoas. (Lucas 8:5-8)

Estudo da Semana


O Pecado Mortal

Pecados Para a Morte... Eterna


Apresentação

Os hábitos e conceitos humanos vão mudando com o passar do tempo, e aos poucos, as práticas que outrora eram escandalosas vão sendo assimiladas e encaradas com naturalidade pela humanidade.

Como podemos, então, definir pecado para a sociedade contemporânea? Essa missão não é fácil porque vivemos dias de relativismo ético e moral. Nestes dias de pós-modernidade, o conceito de pecado está sendo desconstruído por leis governamentais e por uma cultura liberal e anti-Deus. A palavra pecado está caindo em desuso, tornando-se gradativamente uma expressão obsoleta, em fase de extinção. Para uma minoria que ainda considera o pecado como algo nocivo e presente na vida humana, a ideia é que "pecado" diz respeito somente às atrocidades escandalosas que prejudicam o próximo.

Apesar de todos os pecados serem abomináveis para Deus, alguns têm consequências mais graves do que outros. 1 Jo 5:16-17


Peccatum Mortale

O que é Pecado?

Pecado é qualquer falta de conformidade aos padrões que Deus estabeleceu para o homem. O próprio Deus é o padrão absoluto para tudo. O que não corresponde a seu caráter ou à sua vontade é pecado. O ETERNO Deus estabeleceu o padrão de vida para o homem em Sua Santa Palavra, a Escritura Sagrada. Quando passamos a viver de forma diferente a que Deus propõe para nós em Sua Palavra, estamos vivendo em pecado. Exemplo:

Deus estabeleceu que a verdadeira adoração deve acontecer em "espírito e em verdade" - João 4:23-24. Ele proibiu a fabricação de imagens de escultura como objeto de culto e a prostração do homem diante de ídolos. - Êxodo 20:4-5. Sendo assim, qualquer forma de "adoração" que não seja o padrão estabelecido por Deus, é pecado.

Pecado é uma pretensão de autonomia em relação a Deus; uma recusa de submissão à Palavra de Deus; a falta de conformidade com a Lei de Deus e Sua pessoa; uma atitude de rejeição e de rebelião a Deus.

Pecado é a falta de conformidade à vontade do SENHOR.

Pecado Contra Deus

Todo pecado é, primeiramente, contra Deus, porque deixamos de viver nos padrões  estabelecidos pelo Criador.

Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que é mal à tua vista (Salmo 51:4).

É importante lembrar que a classificação e o julgamento dos pecados são atributos de competência exclusiva de Deus. Desse modo, nem sempre a nossa lista de "pecadinhos e pecadões" será a mesma da reta justiça divina.

Mas, o que dizer quando o ato de iniquidade é propositadamente direcionado a YHWH, como ato de rejeição, de rebelião, de ofensa, de profanação e de blasfêmia? Bem, aqui temos um pecado maior, com consequências mais graves.

Apesar de todos os pecados serem abomináveis para Deus, alguns pecados têm consequências mais graves do que outros.

Jesus disse a Pilatos: "Nenhuma autoridade terias sobre mim, se do alto não te fosse dada; por isso, aquele que me entregou a ti incorre em pecado maior" - (João 19:11).

A ação de Pilatos foi considerada um pecado menor em relação ao pecado de Judas.

Pecado Para a Morte... Eterna

"se alguém vir a seu irmão cometer pecado não para morte, pedirá, e Deus lhe dará vida; aos que não pecam para morte. Há pecado para morte, e por esse não digo que rogue" (1 João 5:16).

Apesar de todos os pecados serem abomináveis para Deus, alguns pecados têm consequências mais graves do que outros.

O "pecado para morte" citado em 1 João 5:16 não está relacionado com a morte física e sim com a morte eterna.

  • Pecado que não é para a condenação eterna é aquele cometido por fraqueza momentânea da parte do pecador, mas sem a intenção de resistir à vontade de Deus ou de se rebelar contra o SENHOR.
  • Pecado para a morte eterna é a deliberação consciente e intencional de se resistir à vontade de Deus. Quando essa rebeldia movida pelo orgulho e pela insubmissão ao Senhorio de Cristo, torna-se contumaz, prepara o caminho do pecador à apostasia e ao pecado imperdoável. (Mt 12:22-32 e Lc 11:14-23).

Há um pecado para a morte - o pecado para o qual não há mais esperança de perdão. Sabemos biblicamente que há somente um pecado imperdoável: a blasfêmia contra o Espírito Santo. (Mt 12:31-32). Trata-se de um pecado diretamente à pessoa do Altíssimo; uma infâmia ao Santíssimo Espírito Santo, de modo consciente e impenitente.

É evidente que a blasfêmia contra o Espírito Santo é fruto de uma rejeição deliberada da fé em Jesus Cristo; uma consequência da apostasia.

Apostasia (aphistemi) é definida como: deserção, rebelião, abandono; afastar-se daquilo a que antes se estava ligado. Em termos teológicos significa apartar-se da união vital com Cristo e da verdadeira fé apostólica; significa cortar o relacionamento salvífico com Jesus Cristo.

O apóstata é aquele pecador que, deliberada e continuamente, endureceu o seu coração, resistindo ao Espírito Santo, pecando intencionalmente, recusando-se a atender à voz de Deus (Hb 3:7-19). Por essa atitude deliberada e persistente, esse pecador impenitente segue para um estado de desgraça espiritual, um "ponto sem retorno", onde não mais existe a possibilidade de arrependimento, de nova conversão e de salvação. (Ez 33.12-20; Mt 12 31:32; Jo 15.1-6; At 7:51; Rm 11.20-22; Ef 4:30; 1 Tm 1.19-20;Hb 3.12-14; Hb 6.4;10.29; 2 Pe 2.4.20-22).

O escritor de Hebreus diz que já não resta sacrifício pelos pecados para aquele que comete a apostasia. Para o pecador impenitente que pisou o Filho de Deus, profanou o sangue da Aliança e ultrajou o Espírito da graça, resta somente uma horrível expectação de juízo. (Hebreus 10:26-29).

Quem são esses pecadores que não devemos interceder? São aqueles que rejeitaram todas as restrições da Bíblia, da moralidade, da decência; aqueles que desprezaram todos os conselhos pastorais, que se tornaram céticos, sensuais, profanos, zombadores e blasfemos, que abandonaram a congregação dos santos, que desprezaram o Evangelho e têm renunciado completamente à fé em Jesus Cristo, tornado-se inimigos de Deus.

Quando o Espírito Santo é ultrajado e resistido persistentemente Ele deixa de agir na vida do pecador, impossibilitando-o de arrependimento e de salvação. Sendo assim, é inútil interceder pelo apóstata, porque essa pessoa jamais poderá ser restaurada (cf. Hebreus 6:4-6).

O Caminho da Apostasia

Ninguém torna-se um apóstata da noite para o dia. A prática habitual da iniquidade é o meio preparatório e promotor do estado de desgraça espiritual.

Quando o pecado torna-se um vício e passa a fazer parte do comportamento cotidiano do pecador, temos uma situação agravante que poderá incorrer na apostasia (I Jo 3:4; 3:9). Viver deliberadamente na prática do pecado, além de promover a escravidão espiritual, dessensibiliza a consciência moral do pecador, preparando o seu caminho à apostasia. (Rm 6:16; 7:15)

Algo Tão Grave Como o Pecado

Será que existe algo tão grave como o pecado? Sim, a falta de confissão do pecado. Façamos uma analogia: Pecar é como beber veneno e não confessar o pecado é como deixar o veneno agir no interior do nosso corpo.

A ocultação de pecado, além de ser um ato de desonra a Deus, traz consequências sérias sobre o pecador.

Quando o pecado é admitido/tolerado e não confessado, o pecador sofre as consequências: nesta terra e na eternidade. Todo ser humano precisa reconhecer e lamentar a presença do pecado em sua vida. O genuíno arrependimento a Deus proporciona um expurgo de toda sujeira moral.

Somente uma confissão que expresse um profundo arrependimento pode obter o perdão divino, restaurar a comunhão do pecador com Deus e purificar a sua consciência moral.

Quando o pecador expressa profundo arrependimento, obtém o perdão divino, sua comunhão com Deus é restaurada e a paz volta à sua consciência moral.

Arrependimento é a reação correta do pecador diante do pecado praticado. O transgressor reconhece o pecado, sente a culpa e vergonha pelo ato praticado, confessa tudo a Deus e busca com todos esforços dar uma prova de mudança, afastando-se da iniquidade e passando a fazer a vontade do ETERNO Deus.

Isaías 55:7- Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos; converta-se ao Senhor, que se compadecerá dele; e volte para o nosso Deus, porque é generoso em perdoar.

Convicção, contrição, confissão e conversão. Este é o quarteto do verdadeiro arrependimento. Todas essas etapas estão estreitamente relacionadas, mas o ponto visível do arrependimento é a confissão genuína. Por meio da confissão o pecador reconhece e confessa o seu erro, sente-se envergonhado de tê-lo praticado, lamenta profundamente os males e prejuízos causados, faz as restituições devidas, muda de comportamento, larga definitivamente o pecado, volta-se para Deus.

Conclusão:

Nesta breve reflexão procuramos mostrar que o pecado é algo muito sério e que ele precisa ser tratado biblicamente, caso contrário as consequências serão gravíssimas.

Pecado não deixa de ser pecado com o tempo; ele não deixa de ser uma ofensa a Deus por causa da evolução social, das mudanças culturais ou por causa das novas leis governamentais. Não! Pecado só perde a validade quando o pecador se arrepende de sua transgressão a Deus. Pecado só perde o poder de mortalidade quando o pecador reconhece a iniquidade praticada... e isso com profunda contrição, confessando a sua culpa, sentindo-se envergonhado pela transgressão e quando deseja verdadeiramente mudar de atitude diante de Deus. Isto se chama arrependimento verdadeiro e só é aceito por Deus porque o sangue inocente de Jesus Cristo foi derramado graciosamente em favor dos homens

(1 Tm 2:6). Portanto, amados irmãos, só existe um tratamento para o pecado: arrependimento profundo, diante de Jesus Cristo.

Deus, em sua graça e bondade, admoesta os homens a confessarem os seus pecados e arrependerem-se deles.

Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, de sorte que venham os tempos de refrigério, da presença do Senhor (Atos 3:19).

Deus manda agora que todos os homens, em todo lugar, se arrependam (Atos 17:30).

Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. 1 João 1:9

Bom mesmo é viver em santidade, longe do pecado, de modo a agradar a Deus, fazendo sempre a Sua vontade. Mas, se pecarmos, precisamos eliminar imediatamente esse veneno de nosso ser, voltando-se para Deus em arrependimento profundo. O pecador, ainda que esteja moralmente sujo, desorientado, envergonhado, sentindo-se miserável, ferido, desumanizado, frustrado, angustiado e sem paz, precisa reconciliar-se com Deus.

Se você pecou, amado irmão, confesse o seu pecado. Volte-se agora mesmo para Deus. Faça uma oração sincera onde você está. O SENHOR Deus, amoroso e gracioso, por certo ouvirá sua oração e lhe perdoará. A sua comunhão com Ele será restaurada e você será considerado como o filho que voltou à Casa do Pai. Aleluia. Pv 28:13; 1 Jo 1:9.

Pense nisso, faça isso e que Deus nos abençoe rica e abundantemente.

P.S.: Não esqueça de deixar o seu comentário.


Comentários desta Reflexão Semanal

O seu comentário sobre esta reflexão é de grande importância. Ao opinar sobre os temas e os conteúdos apresentados a cada semana, podemos fazer ajustes, acertos e melhorar cada vez mais a forma de expressar o que discernimos como mensagem do Espírito à igreja.



..::data e hora::.. 00:00:00